Wednesday, 5 July 2017

Última leitura de areia

Há livros que, depois de lidos, nunca mais podem voltar a ser fechados.

8 comments:

João Menéres said...

Por isso é que estou ansioso por ter um livro teu !

Rasuras do Aparo said...

... São as tais pedrinhas na engrenagem ... que aqui surgem como marcadores de emoções escritas ... passagens assoreadas em dias de vento ... que as deixou sempre entreabertas na esperança de um folhear antigo ...

Luis said...

Menos siempre suele ser más . Buen trabajo

Manu said...

E há fotos cujas linhas depois de contempladas é difícil esquecê-las.

Dida (florbytes) said...

E se não fosse uma série, não saberia que gostas de esconder palavras grãos de areia e para as localizar mais tarde tiras foto para as recordar :-)
Curioso...
Grande engenhocas.
A L. Reis pensa e a obra aparece.

Ana Lúcia said...

Gosto dos livros que "trago" comigo.
Brilhante fotografia. Sempre muito criativa.

Remus said...

Promete mesmo que é a última leitura de areia?
Promete mesmo que nunca mais vai fazer fotografias destas?
Se assim for, então parece que até vou entrar no fim-de-semana muito mais bem disposto. Até já sinto um formigueiro a subir pelas pernas e não é nenhuma aranha ou formiga, é mesmo o contentamento a vir ao de cima. Para quem não sabe, o meu contentamento vem de baixo para cima. Se é defeito ou feitio, isso não sei! Mas é assim que eu sou e é assim que funciono.
:-P

Já esta fotografia não possui nenhum defeito e está cheia de feitio.
Belíssimo trabalho!

Ana Freire said...

Pois não!... Ficam-nos para sempre na nossa memória...
Mais um post onde a criatividade impera... ao nível da imagem... e das palavras...
Beijinhos
Ana