Friday, 22 July 2011

Barcos em terra [A boat with roots]





























Semeio barcos em terra
Para não sentir a falta das marés...
Talvez amanhã encontre um chão que se faça água
E uma vela que saiba o caminho do vento
Talvez amanhã solte as raízes que me prendem ao faz de conta
E eu não mais
nunca mais
Tenha que fingir o mar.

10 comments:

Margarida Belchior said...

Que tal a correu a colheita?
:-))

Impossível fingir (o) (a)mar!

:-))

Bjs

P.S. - Só tu para me fazeres rir assim a uma hora destas!!

Remus said...

Nestes últimos posts é tudo para amanhã.
Porque não fazer hoje?
Eu sou adepto do não deixe para amanhã o que pode fazer hoje...
:-P

João Menéres said...

Barco sem fundo não navega mas permite uma bela recordação.

E, LINA, as tuas PALAVRAS serão sempre as ondas onde AMANHÃ navegarei.

Um beijo semeado entre a maré baixa e a maré alta que, em cada dia, nos esperam duas vezes.

mfc said...

A tua imaginação surpreende!

Clarice said...

As tuas palavras já são mar, Lina... e quem navega assim tudo merece alcançar, tudo!

beijinho grande

Rute said...

Belíssimo o teu poema e fértil a tua imaginação...
* grande post

1 beijinho:)

Susaninha said...

Hummmm!!!!
Cultura interessante...

:)
Bjs
S

Helder Ferreira said...

Palavras lindissimas... e uma foto genial! Lindo L. Reis! Simplesmente lindo!

Anonymous said...

... fui direto ao DN e na secção de anúncios inseri o seguinte :
" Procura-se Alqumista ...Que Me Transforme Por Vezes em Liquido " ...
T

Anonymous said...

é favor corrigir "Alquimista" ...
T